ANTONIO   SALAVERRY

 

O MITO DO PALACETE

Fotografias Digitais impressas com Pigmento Mineral em Papel de Algodão nos tamanhos de 20x30 cm e passepartout

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/9

Quando me mudei para São Paulo em meio à pandemia, os barulhos da cidade à noite vieram acompanhados de luzes de todos os tipos que transgrediam os limites do meu apartamento e me convidavam a imaginar o burburinho e a cultura boêmia e efervescente das quais não se era possível desfrutar.

 

Ao olhar com mais atenção, percebi que o único atributo que as luzes projetadas mantinham original era sua cor. Já suas formas obedeciam tanto aos formatos das janelas pelas quais elas passavam quanto às linhas arquitetônicas das paredes e do teto da construção centenária que há pouco passara a me abrigar.

Assim como o homem do mito da caverna de Platão, não tinha ideia do que o exterior tinha a me oferecer, somente as armadilhas que esse traiçoeiro palacete queria me fazer crer.