Intrínseco

Intrínseco é um mergulho interno do autor em sentimentos profundos, catalisados pelo estado de confinamento e isolamento mundial. Alimentado com notícias em escala global que outrora pareceriam estapafúrdias, e sem perspectiva de melhora, a perturbação e a angústia permeiam o indivíduo que agoniza, à deriva e à espera de algo incerto. A realidade objetiva perece e dá lugar aos conflitos internos que emergem e tomam para si o protagonismo. Assim, a representação de si converge com o discurso que é criado e percebido simultaneamente, como em uma terapia que traduz a mensagem impregnada. Não há o compromisso em se denotar uma realidade visível, tangível ou oportuna, mas aquela que sempre habitou em mim.